sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Artistas também usam roupas de Brechó

Estilo: Elogiada por sua elegância natural e autenticidade ao se vestir, Camila consegue ser fashion sem cometer exageros. Com alguma influência retrô, seu estilo super feminino vai de marcas como Maria Bonita Extra e Isabela Capeto a roupas que garimpa em brechós. Esta geminiana dona de um bom humor invejável diz não ligar para tendências, é apaixonada por vestidos e prefere roupas mais básicas, confortáveis e nem tão chamativas. As produções sempre valorizam suas formas, deixando-a deslumbrante em qualquer ocasião.


Antenada com a moda, Preta Gil não ficou de fora da grande onda do momento: comprar roupas em brechó. Mas, não em qualquer lugar. Em viagem recente a Nova York, a artista aproveitou para fazer a “limpa” e dar um up grade no guarda-roupa.

“A moda agora é reciclar roupa, trocar com a amiga. E o bom do brechó, em especial das blusas, é que elas já vêm surradinhas, com a forma do corpo. São perfeitas. Virei fã”, conta a cantora e atriz.

“Gosto muito de comprar roupas nesses tipos de lojinhas que encontro, principalmente em Nova York. Não tenho vergonha de dizer e assumo minha autenticidade”, completa a despojada Preta Gil.

A cantora Maysa Monjardim, foi quem trouxe a moda dos brechós ao Brasil. Em 1972, criou o Malé Lixo, na rua Djalma Ulrich, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Comercializava roupas, calçados, bolsas e acessórios usados por ela e amigos. A ideia surgiu com seu conhecimento desse tipo de negócio em uma das suas viagens à Europa. Vale lembrar que essa década também reserva o início da criação de roupas nacionais, do estilismo, a exemplo de outra precurssora, Marília Valls (grife Blu-Blu). Mesmo com a inovação da cantora e o início de uma efervecência brasileira para a moda, a popularização dos brechós no país só aconteceu 30 anos mais tarde, com ápice nos dias de hoje, onde em algumas cidades se encontra quase “um a cada esquina”. Na imagem, Maysa aparece no seu brechó. Foto: Revista Manequim de janeiro de 2009/Reprodução
A jornalista Ana Paula Padrão apresenta sua casa na edição de março da Casa Vogue. No escritório, ela mostra que adora objetos antigos, como uma escrivaninha e uma máquina de escrever.
Angelina Jolie usou o modelito acima durante a première do fil­me “A Mighty Heart” (Um poderoso coração), em julho de 2007, em Nova York. O vestido foi comprado em um brechó de Los Angeles, custando cerca de U$ 26. Em veludo, tem um amplo decote V nas costas e um broche na cintura. O filme “A Mighty Heart” é baseado no livro homônimo escrito por Marianne Pearl, cujo marido, o jornalista norte-americano Daniel Pearl, foi assassinado no Paquistão por militantes da Al-Qaeda. Jolie interpreta Marianne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário